Coroas reservadas para os salvos

Data 22/1/2008 17:23:22 | Assunto: Igreja


Coroa é uma insígnia, uma recompensa. As coroas eram dadas aos vencedores de competições atléticas, ou a um rei quando galgava uma posição de majestade. Após os jogos ou corridas, na Grécia os atletas vencedores reuniam-se de fronte do palanque chamado Bema, onde o juiz distribuía os prêmios. Havia alegria e tristeza.
Mensagem : Coroas reservadas para os salvos
Texto Base : II Corintios 5:10


Coroa é uma insígnia, uma recompensa. As coroas eram dadas aos vencedores de competições atléticas, ou a um rei quando galgava uma posição de majestade. Após os jogos ou corridas, na Grécia os atletas vencedores reuniam-se de fronte do palanque chamado Bema, onde o juiz distribuía os prêmios. Havia alegria e tristeza. Da mesma forma, o apóstolo Paulo descreve, na carta aos Coríntios, os tipos de obras dos crentes que hão de herdar galardões: feno, palha e madeira obras feitas por motivos indignos, ou ouro, prata e pedras preciosas obras feitas por amor a Deus e por amor as almas.
Receber galardão ou não é tão certo quanto comparecer perante o tribunal de Cristo 2Co 5.10, para os salvos, ou Grande Trono Branco Ap 20.11, para os perdidos.
Nosso Senhor Jesus Cristo recebeu uma “coroa de espinhos”, feita mais para escarnecer do que para fazê-lo sofrer, realmente; foi cravado em sua cabeça até o sangramento. Ele, porém, foi o Vencedor em Sua missão e agora tem em suas mãos coroas que pode oferecer aos santos. São coroas irressecáveis, que não murcham, não enferrujam, incorruptível. Coroas que serão entregues somente aos vencedores deste mundo, e para aqueles que cumpriram fielmente suas missões. Vencendo a batalha da carne, nos tornamos reis e sacerdotes de Deus para sermos devidamente coroados naquele grande dia, após o julgamento do Grande Tribunal de Cristo 1Co 3.10-15; 2Co 5.10. Russel N. Champlin nos apresenta o simbolismo das coroas, com detalhes, podemos anotar abaixo:
- a “corona triumphalis” para coroar os generais triunfantes;
- a “corona obsidionalis” (feita de grama ou outro material que pudesse ser encontrado no campo de vitória também chamada de “corona gramínea”) dada aos generais que salvassem o seu exército do cerco ou da rendição vergonhosa;
- a “corona myrtes” ou corona ovalis (feita de louro, de folhas lustrosas e espessas) era dada aos generais que celebrassem triunfos militares de maior ou menor envergadura;
- a “corona muralis” (dourada) dado aos lideres militares que atacassem alguma muralha;
- a “corona castrensis” era feita de ouro, com ornamento imitando fortificações, dado ao primeiro soldado que escalasse terrapleno (terreno aplainado) do inimigo.
É bom frisar que estas coroas não são possessões físicas como se fossem bens matérias. Trata-se de resultados espirituais transformados em graus de glória, embutido na nossa glorificação quando do arrebatamento. Essas coroas são os nossos galardões integralizados na possessão, e na participação definitiva da própria natureza de Jesus Cristo.
Essa condecoração diferenciada nos dotará de poder para cumprimento de tarefas magníficas nos lugares eternos, numa nova dimensão de vida inimaginável nesta.
Para os que tiveram suas obras queimadas, ao passarem pela prova do fogo 1Co 3.13, obviamente hão de se lembrar que não se importaram, nesta vida, com as realidades espirituais, antes viveram para a carne, e que o pouco que imaginaram ser de grande valia foi consumido pelo fogo, envergonhando-se diante dos demais salvos. Isso não implica em perder a salvação, mas perda de recompensa 1Co 3.15.
Segundo o ensino bíblico, coroas estão reservadas aos salvos. São elas:

1. Coroa de Glória
A referência de 1Pedro 5.4 nos fala de um tipo de coroa para os salvos: quando o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a coroa da glória.
Esta coroa esta reservada para os fiéis servos do senhor que trabalharam para Deus não por amor ao lucro, por vantagens pessoais, nem tampouco para exercer domínio sobre o rebanho; antes “Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, não por força, mas espontaneamente segundo a vontade de Deus; nem por torpe ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores sobre os que vos foram confiados, mas servindo de exemplo ao rebanho”. 1Pe 5.2,3. Está reservada para os que labutaram por amor a Deus e às almas perdidas, esforçando-se sem medida não cuidando dos seus próprios interesses.
A glória dessa coroa para os que a vierem possuir, será também a participação da glória, da majestade, do poder, dos atributos e da própria natureza de Jesus Cristo com graus variados de glórias, ou maior ou menor.
Verdade é que as coroas podem ser perdidas, como aprendemos em Apocalipse 3.11. Aqueles a quem Deus destinar essa coroa de glória receberão um serviço mais exaltado (1Ts 2.19,20; Fp 4.1; Dn 2.3; Pv 11.30).

2. Coroa incorruptível
A coroa incorruptível é a que aponta para a vida eterna (1Co 9.25), incluindo as vantagens e perfeições como recompensa pela fidelidade dos crentes. É destinada aos que não se curvaram perante a carne e nem viveram segundo suas concupiscências, mas viveram para Cristo e no Espírito (Gl 6.8).
A coroa incorruptível vem a significar os mais elevados níveis de glorificação. Paulo exorta a Timóteo a tomar posse da vida eterna (1Tm 6.12), o que é o objetivo do bom combate. É a posse de uma vida imortal, para a qual nos dirigimos, e que não pode deixar de existir jamais. É a vida imanente do Senhor Jesus, é a própria vida do Pai que será transmitida para os relidos por Cristo Jesus (Jo 5.25; 1Co 15.53; Ap 2.10b).

3. Coroa da Justiça
O apóstolo Paulo aguardava esta coroa da justiça que lhe está reservada 2Tm 4.8, certamente dentre tantas outras. Será dada para os que amam e aguardam a vinda de Cristo. É uma coroa reservada para os que viveram uma vida de retidão neste mundo, por causa de um serviço fiel, tornando-os, na eternidade, seres celestiais de pureza e bondade notáveis, e retidão perfeita como perfeito e o nosso Pai celestial.
Amar a vinda é amar a volta de Jesus, o seu advento no rapto da Igreja, tanto para os que já dormiram no senhor como esta esperança como para os que em vida terão seus corpos ressurretos nesse glorioso momento.
Amar a volta de Jesus pode subentender os seguintes pontos:
- o amor incondicional a Jesus Cristo, a quem agradamos em vida;
- o amor às coisas celestiais em contraste pelo que é terreno Jo 15.19;
- a ausência completa de temor perante aquele que há de julgar nossas obras perante o Seu Tribunal 2Co 5.10; é um amor que resiste ao teste divino; um amor confiante;
- um amor que pode esperar uma recompensa pelos feitos em vida.

4. Coroa da vida
Ao vencedor da provação está reservada a coroa da vida (Tg 1.12 Bem-aventurado o homem que suporta a provação; porque, depois de aprovado, receberá a coroa da vida, que o Senhor prometeu aos que o amam). Ver Ap 2.10.
Ser testemunha de Jesus a tal ponto de estar pronto para morrer pela sua causa é uma condição daquele que estiverem consagrados inteiramente a Deus. É para o que estiver na condição de mártir (At 1.8 Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samária, e até os confins da terra). Essa vida é uma vida eterna, uma vida de participação na própria espécie de vida divina, uma vida que os remidos do Senhor poderão participar.

Autor: Pr. Zico



Este estudo foi publicada no Portal Nação Sonora Estudos
http://www.nacaosonora.com/estudos

Endereço deste estudo:
http://www.nacaosonora.com/estudos/article.php?storyid=106